Foto: Reprodução/curiodyssey.org

Como um jovem pode encontrar o caminho da formação profissional, com escolhas acertadas, firmeza de decisão e persistência no aprendizado? Uma maneira de responder a essas perguntas é conhecer a trajetória de Edward Frenkel, nascido em Kolomna, cidade a duas horas de trem de Moscou, capital da União Soviética em 1983, ano em que seu coração encontrou sua futura profissão. Certo dia um professor amigo da família mudou a visão do que até então o garoto via como algo maçante e inútil: a matemática. Aquele sentimento de fascínio, em que o professor lhe apresentou a beleza desta ciência, já estava sendo alimentado por leitura de livros que atiçavam a curiosidade sobre a natureza. Com os conselhos do seu primeiro mentor, mergulhou na matemática, e sua fascinação aumentou na mesma proporção ao perceber a importância dos números e do pensamento abstrato.

Durante a conclusão do ensino médio fortaleceu sua decisão para o que vinha adiante, o período de definição da vida profissional, com todas as crises que isso significa. Após ser injustiçado nos exames de admissão na Universidade de Moscou, não perdeu tempo se lamentando, mas manteve-se firme procurando alternativas juntamente com seus pais, dos quais sempre foi bastante próximo. Seu pai tomou para si a responsabilidade de angariar as informações necessárias para a escolha de outra faculdade, contribuindo, assim, para a perseguição do sonho do jovem de se tornar matemático.

A possibilidade de acerto nas escolhas deu um salto com o surgimento daquele seu primeiro mentor de matemática, uma pessoa que voluntariamente guia os passos do aprendiz no esforço da busca do conhecimento, considerando ainda que o jovem Edward já manifestava ser curioso e desejava conhecimento. Mas o que o manteve firme no propósito? Certamente contribuíram o mencionado apoio dos pais e a disponibilidade de outras pessoas que o orientassem nessa fase embrionária da vida profissional. Mais detalhes sobre a história de Frenkel podem ser obtidos em seu livro “Amor e matemática – o coração da realidade escondida”. Esperamos que este texto sirva de inspiração para quem esteja à procura de maneiras de se decidir profissionalmente, bem como perceber a beleza que acompanha a matemática.

Guilherme Santos Júnior
Guilherme Santos Júnior
Guilherme é Analista Ambiental, bacharel em Geografia e Ciências Náuticas, licenciado em Geografia e mestre em Planejamento do Desenvolvimento. Acredita na educação, mais que na instrução, como meio de se atingir objetivos importantes na vida, e no uso do livro como ferramenta de aprendizado e sobretudo de conhecimento.

14 Comentários

  1. Luiz Fernando diz:

    Educação é certamente a chave, o resto é consequência!

    • Guilherme Santos Júnior diz:

      Sem dúvida, Fernando. Trata-se de um processo demorado mas com resultado certo, como ensinava o pedagogo Jules Payot. O que vale a pena dá trabalho.

      • Manuela Pacheco Inazu diz:

        Adorei o texto!
        Esse é o caminho que acredito. Um caminho de uma educação fluída e com apoio social e familiar.

        Parabéns Guilherme pelo trabalho Guilherme!

        • Guilherme Santos Júnior diz:

          Obrigado, Manuela.
          Isso mesmo, apoio é importante em todas as fases, sobretudo para quem está iniciando novos rumos na vida.

  2. Rômulo Roosemberg diz:

    Show de bola, parabéns pelo belo artigo.

    • Guilherme Santos Júnior diz:

      Obrigado, Rômulo. Conto com sua divulgação e participação nos próximos. Fique com Deus.

  3. Nehemias Wagner diz:

    Já tive 5 alunas que se interessaram por cursar enfermagem no Ensino Médio após uma aula prática de anatomia na aula de Educação Física. Outros seguiram na luta para realizar seus sonhos profissionais e alegaram minha influência. Fico feliz por ter sido uma boa influência para meus alunos.

    • Guilherme Santos Júnior diz:

      Olá, Wagner. Esses momentos de mentoria na vida do jovem mudam rumos de vida. Eventualmente no futuro você pode ser abordado em algum lugar por alguém que tomou decisões com base nas aulas que você ministrou, e isso é gratificante.

  4. Ana diz:

    Parabéns pelo artigo ! A educação é o melhor caminho para Nossos jovens .

    • Guilherme Santos Júnior diz:

      Obrigado, Ana. Nossos jovens precisam de educação e de pessoas que os orientem nesse caminho.

  5. Deuselina Santos diz:

    Parabens pelo artigo!! Nossos jovens carecem de apoio dos pais na escolha profissional e de professores que os influenciem positivamente nessa trajetoria tao importante da futura profissão!

    • Guilherme Santos Júnior diz:

      De fato, Deuselina, a participação da família e escola, dois ambientes frequentados pelo jovem, podem e devem contribuir com seu futuro. No Brasil, via de regra só temos um ou outro, ou nenhum contribuindo mais que o elementar ou suficiente. Obrigado pela participação.

  6. Cristiani Carvalho diz:

    Parabéns!!!
    Você colocou no seu texto algo de extrema importância e que deve muito ser levado em conta por aqueles que tem filhos ou que são cuidadores de crianças e adolescentes, a participação dos pais ou de quem o jovem possa admirar e confiar. Sabemos como isso aumenta o engajamento no processo de ir em busca dos sonhos. Adorei!!

    • Guilherme Santos Júnior diz:

      Olá, Cristiani! Obrigado. Essa participação é mesmo importante e precisamos incentivá-la.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

ÚLTIMAS
error: Conteúdo protegido por Direitos Autorais.